Loading...

0

Nenhum produto no carrinho.

#meuLadoBasic - Renata Vanzetto

22/11/2016 21:55

#meuLadoBasic 3

RENATA VANZETTO

@renatavanzetto

por Mariana Abreu Sodré

Aos 28 anos, Renata Vanzetto soma uma década de carreira profissional feita de “corre louco”, ou, se preferir, sucesso. Chef de cozinha, autora do restaurante e dos buffets Marakuthai, do Me Gusta (ambos com endereços em São Paulo e Ilhabela), do restaurante Ema (SP) e do Lambisgoia bar (Ilha), Renata soma prêmios de gastronomia, já passou pela televisão e construiu uma empresa singular. “Comecei com minha mãe e minha tia, hoje são esses tantos endereços, mais o buffet, e 20 familiares trabalhando juntos”.

Olhando para ela – morena, gata, com zero maquiagem, coque alto e olhar tranquilo – os predicados ficam ainda mais interessantes. Renata não usa o termo workaholic, mas diz que muitos que a cercam acham “bizarro” o ritmo de trabalho que segue. “Sempre achei muito legal trabalhar muito, mas nesta fase eu tô, poxa, eu tô...”. Renata dá uma pausa antes de completar, “eu acho que passei um pouco do meu limite”.

O tom não é de desabafo, é decisão de quem agora segue o caminho do mar e do mato todo final de semana, “com o celular desligado e com esses dias de folga registrados em contrato. Não trabalho mais sábado e domingo. Foram anos, direto”, diz. Pergunto se o destino é Ilhabela. Ela diz que é Barra do Sahy ou Camburi. É que na Ilha tem a distância, a balsa e o trabalho fica pertinho demais. E, além do mais, ela não sai de lá, mesmo quando lá não está. Hippiezice? É raiz mesmo. “Quando estou longe dos meus amigos de infância, dos ilhabelenses, não sou feliz”, diz.

A saber: Renata anda feliz da vida, trabalha com alguns amigos, mora com a melhor amiga, namora um cara legal e se junta com frequência com a turma toda. Fala uns palavrões, dá risada alto, adora folhas amargas, “chicória crua sem tempero”, é chocólatra, não assiste televisão, nem lembra nomes de filmes. É empresária, chef, menina da Ilhabela. Tudo ao mesmo tempo. Autêntica.

 OS BÁSICOS DE RENATA

Quais são suas premissas básicas?

Eu tenho algumas coisinhas que acho que podem ser essas regras básicas da minha vida. Eu trabalho muito, durante a semana almoço com o celular, já tentei colocar essa regra “sem celular no almoço”, mas não consigo. No meu dia a dia de segunda à sexta, saio de casa supercedo, volto de madrugada. Chegou um momento que estava pirando e decidi que não trabalho mais aos finais de semana. É uma regra: fim de semana, vou para a praia, para o mato, desligo o celular.

O que é básico pro seu dia a dia?

Não tenho rotina, vou aos restaurantes, faço eventos, uma matéria em um dia... Meus únicos compromissos fixos são parar para o almoço, com um saladão, e fazer aula de muay thai toda segunda, quarta e sexta. No inicio foi muito estranho saber que toda segunda, quarta e sexta, no mesmo horário, estaria fazendo a mesma coisa. Mas já se vão quatro meses e faltei uma vez só.

O que é básico no seu estilo?

Sou muito de fases, tem umas bem desencanadas, que saio de casa de pijama, e tenho umas fases que todos os dias estou com brincos deste tamanho (imensos). Agora, estou trabalhando tanto que estou na fase maior do desencanamento.

O que é básico no seu guarda-roupa?

Tênis. Quase não uso salto, outro dia, umas amigas estavam em casa se arrumando para um casamento, todas colocaram suas sandálias e saíram andando, de boa, eu quase caí. Percebi que de fato não sei andar de salto e não tenho interesse em aprender (ri). Tenho um problema seríssimo. Saio de casa todo dia com uma calça preta e um tênis, que é a roupa que vou ficar na cozinha. Mas, claro, uso uma botinha com salto de vez em quando.

O que é básico na sua biblioteca?

Não leio, não vou ao cinema, não guardo um nome de música, tenho um problema sério com isso. Eu travo quando me perguntam o nome de uma banda, de uma música. Assim, faço o playlist do Ema, mas quando vou cantar uma música, canto errado (ri), minha memória...

Eu ia perguntar que música é básica na sua formação afetiva, mas vou pular, tá?

Obrigada (ri).

O que é básico para seguir em frente?

Minha família. Muito. Hoje, 90% da minha família, que é enorme, trabalha junto, incluindo tias, primos, todo mundo. Isso me motiva muito. Comecei com minha mãe e minha tia, hoje somos mais de 20.

O que é básico para ser inteira?

Amigos. Sou muito enraizada com minha turma ilhabelense, somos muito unidos, a Mariana, minha amiga de infância, mora comigo, o Ado é meu sócio no Me Gusta, quase casado com a minha irmã... longe deles eu fico triste.

O que é básico pra você?

Perceber o que eu não quero e o que de fato, para mim, tem valor.

Deixe o seu comentário:





*Campos Obrigatórios

Compartilhe